F.E. A Doutrina de Jesus Cristo.

--------------------------------------
OLÁ, SEJA BEM VINDO AO FÓRUM EVANGELHO.

CASO DESEJE PARTICIPAR DE DEBATES FAÇA SEU REGISTRO.

ESTE FÓRUM É ABERTO A PESSOAS DE TODOS OS CREDOS.

SE PREFERIR SER APENAS UM LEITOR, ACOMPANHE AS POSTAGENS.

"Conheçamos e prossigamos em conhecer a YHVH ( י ה ו ה )..." (Oséias 6.3)

Norberto
Administrador do Fórum Evangelho

Fórum evangélico, aberto à participação de pessoas de qualquer credo ou religião.


Manuscritos da Bíblia e as modernas versões

Compartilhe

Jefté
- Áqüila / Priscila -
- Áqüila / Priscila -

Status : no perfil, defina seu status ou deixe em branco.
Sexo : Masculino
Número de Mensagens : 1708
Idade : 54
Cidade/Estado : Florianópolis - Santa Catarina
Religião : Cristão
Igreja : Não tenho
País : Brasil
Mensagens Curtidas : 38
Pontos de participação : 4121
Data de inscrição : 27/12/2008

Manuscritos da Bíblia e as modernas versões

Mensagem por Jefté em Seg 18 Jul 2011, 11:41

MANUSCRITOS DA BÍBLIA E AS MODERNAS VERSÕES
Valdeir de Souza Contaifer, pr.
Muitas vezes sou consultado por alunos e colegas a respeito das versões da Bíblia. Cerca de um terço das últimas mensagens do correio eletrônico que recebi nos últimos seis meses dizem respeito a esse tema. As perguntas giram em torno da seguinte questão: Podemos ou não podemos confiar nos textos bíblicos que se encontram em nossas livrarias evangélicas? Existem Bíblias distorcidas? Estas são de fato perguntas importantes e merecem uma resposta séria. O CPR tem se preocupado com essa resposta, tem inclusive se apresentado como fórum de debate. E esta é a razão das considerações que se seguem.

I. APRESENTAÇÃO DA QUESTÃO.
2. Existe mais de um texto bíblico utilizado pelas sociedades de tradução da Bíblia?
Sim. Da grande multidão de testemunhas manuscritas foram selecionadas algumas, que na prática são de duas estirpes: Alexandrina ou Bizantina.
3. Qual a diferença entre estes dois textos?
O Alexandrino é caracterizado por excesso de omissões em relação ao texto Bizantino.
4. Qual o melhor texto?
Doutrinariamente falando, o Bizantino é o melhor; porém seguindo o método crítico de Westcott e Hort grande parte dos críticos preferem o texto Alexandrino por se basearem na premissa de que o texto mais curto seja o mais antigo.
5. Esta premissa crítica é lógica?
Não se trata de lógica porque não se discutem premissas. Se duas pessoas não concordam sobre as mesmas premissas a discussão estará fadada ao insucesso. Será polêmica pelo prazer de polemizar. Trata-se, na realidade, mais de uma postura de fé, uma generalização para início de uma hipótese.
6. Então, como resolver a questão de qual texto é o melhor?
Estudando-se os resultados. A resposta deve ser prática e não teórica.


II. ANÁLISE DO RESULTADO DOS TEXTOS MANUSCRITOS QUE CHEGARAM ATÉ NÓS.
Como vimos, a premissa teórica de qual texto é o mais antigo não resolve a questão, apenas exclui uns em preferência de outros. Porém a grande massa de manuscritos que chegaram até nós é de jaez Bizantino. Era sem dúvida o texto preferido das igrejas antes do advento da Imprensa. Foi esse o texto utilizado pela importante versão em inglês King James. Foi também o texto base na versão original de João Ferreira de Almeida.
O texto crítico proposto por Westcott & Hort foi adotado pelas Sociedades Bíblicas Unidas. Ao invés de concordarem com o texto Bizantino preferem uma coletânea de textos seguindo a teoria de que é possível juntar pedaços para alcançar a totalidade essencial do texto crido mais antigo. Não crêem mais como Westcott & Hort (W-H) na pureza do texto Alexandrino, porém ainda buscam chegar a uma unidade a partir de uma dependência da teoria W-H.
É fraco o argumento crítico de que o texto Bizantino é mais recente (só temos testemunhas do século V em diante). Qualquer um sabe que livro muito usado perece. Muitas vezes temos que trocar nossas Bíblias pelo desgaste do uso. E este também é o motivo porque não temos mais os autógrafos (manuscritos originais) dos profetas e apóstolos. Também uma suposta alegação sobre a “revisão” do presbítero Luciano (em cerca de 310 d.C.) carece de confirmação histórica. Especula-se muito para encobrir um fato: a igreja primitiva preferia o texto que hoje chamamos de Bizantino.
O texto Bizantino é o mais doutrinário, o mais claro, o mais enfático. Ao contrário de Westcott e Hort eu penso que é mais fácil esquecer e omitir a totalidade de um texto do que aumentá-lo tornando-o mais harmonioso.

III. O QUE DISCORDAMOS DAS MODERNAS VERSÕES.
Não aceitamos a pretensão de algumas versões que insistem em dizer que são “de acordo com os melhores textos”. Cada qual pode defender sua teoria, porém não é muito ético alienar o leitor da discussão do que se considera melhor. Ao invés, deveria ser dito “de acordo com o texto Alexandrino” e mencionar-se o porquê. Semelhantemente também lamentamos as notas de rodapé que dogmaticamente sentenciam que determinados textos proclamados pela Igreja durante toda a sua história “não constam nos melhores manuscritos”.

IV. TODA BÍBLIA TEM VALOR.
Estou convencido pelo discernimento e pela experiência histórica da Igreja que toda Bíblia tem valor. Não tem sido conseguido pelas trevas extirpar toda a Palavra de Deus. Por exemplo: As traduções de Wycliff para o inglês (tiveram início em 1382). Ele não se baseou no texto das línguas originais, mas no texto da Vulgata Latina, e o fato é que o trabalho de pregação de seus seguidores, os lolardos, atingiu grande resultado. A revisão de Purvey em 1395 da Bíblia de Wycliff foi muito benéfica porque retirou o jugo pesado do papa católico sobre os ingleses que mais conscientes liam a Bíblia. Mas é claro que quanto mais fidedigno é um documento mais útil se torna!
Estou encaminhando um livreto para publicação sobre a necessidade de os membros das igrejas conhecerem os critérios de escolha de texto e de tradução. Para que saibam os usuários da Bíblia (e não apenas uns poucos eruditos) como isto é feito, e como definir sua Bíblia de uso. Chega de alienar a Igreja de seu direito de saber e escolher! Neste livreto narro a observação de um farmacêutico quanto ao uso do álcool. Vou transcrevê-la como ilustração da questão da qualidade das versões:
“Iniciou o dia fazendo preparados médicos em seu laboratório. Para tal serviu-se do álcool etílico puro (100ºGl). Uma funcionária sua desejava limpar seu balcão de trabalho desinfetando-o. Utilizou-se do álcool comum, de uso caseiro (92,8ºGl). Saindo à rua, o farmacêutico viu um rapaz que procurava acender uma fogueira para proteger-se do frio junto com outros adolescentes. Como tinha em sua bolsa um pouco de colônia à base de álcool, utilizou-se dela e acendeu prontamente o fogo para o rapaz. Esse farmacêutico comentava que as diferentes concentrações de álcool tiveram diferentes serventias em suas experiências daquele dia”.
Sabemos que nenhuma ilustração é perfeita. Sempre algum elemento fica de fora. Porém aqui queremos destacar que o melhor é um texto 100% puro. Para isso precisamos recorrer ao idioma original. Porém encontramos versões em diferentes concentrações de pureza em nossa língua. O melhor é o mais próximo do original, porém concentrações diferentes também têm sua serventia, mesmo que seja apenas para iniciar uma fogueira.

V. EIS NOSSO ENTENDIMENTO QUANTO À MULTIPLICIDADE DE BÍBLIAS EXISTENTES HOJE.
Sou pastor. Faço a exegese do texto antes de preparar meu esboço. E tenho buscado melhor expressão em todas as versões que analiso. Essa é minha obrigação. Por exemplo: eu sei que a NVI enfraqueceu o texto de Atos 8.37 retirando a declaração do Eunuco de que “Jesus Cristo é o Filho de Deus”, mas também sei que a Revista Corrigida e a Atualizada omitem o nome “Cristo” de Filipenses 4.13 dizendo apenas “naquele que me fortalece” ao invés de “em Cristo que me fortalece”. Reconheço que nem todas as omissões do texto Alexandrino constam nas versões portuguesas que optaram por ele. Por exemplo, a narração da “Mulher Adúltera” (João 7.53 até 8.11) não foi retirado do texto da NVI (Nova Versão Internacional); a passagem de Marcos 16.9-20 também não foi omitida. Porém constam os enfraquecimentos dos textos nas notas de rodapé.
No Brasil hoje a melhor Bíblia de acordo com a fidelidade doutrinária do texto da maioria dos manuscritos (Bizantino) é sem dúvida a Edição Fiel da Sociedade Bíblica Trinitariana. Porém o esforço das outras não é vão. Muitas vidas têm sido alcançadas por esses textos utilizados por uma grande quantidade de crentes fiéis e hábeis evangelistas na instrumentalidade do Espírito Santo de Deus. Filipenses 1.15-18 nos diz: “Verdade é que também alguns pregam a Cristo por inveja e porfia, mas outros de boa vontade; uns, na verdade, anunciam a Cristo por contenção, não puramente, julgando acrescentar aflição às minhas prisões. Mas outros, por amor, sabendo que fui posto para defesa do evangelho. Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda”. Porém este texto não quer dizer que devemos ser alienados quanto ao que recebemos, apenas nos recorda que nosso entendimento deve ser mais amplo. Porém é o mesmo Paulo que em Filipenses 3.2 nos diz: “Guardai-vos dos cães, guardai-vos dos maus obreiros, guardai-vos da circuncisão”.

VI. O PROBLEMA DA EXCESSIVA LIBERDADE DOS TRADUTORES
Muito do problema das versões modernas é o abuso do método de equivalência dinâmica que deixa o tradutor excessivamente livre para determinar o sentido do texto. A palavra não é contemplada com o seu equivalente formal na outra língua, mas sim a idéia. Em alguns casos, dada a complexidade das culturas, não é possível omitir-se dessa equivalência, porém deve-se fugir o mais possível de sua utilização como regra geral. Afinal, a Bíblia é a Palavra de Deus e não o entendimento humano sobre as idéias do texto. Pregamos a Palavra e não sobre a Palavra. “Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até a divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração” (Hb. 4.12). Portanto, procure utilizar-se de uma Bíblia que tenha tradução formal. A Bíblia Revista e Corrigida e a Corrigida Fiel são os melhores exemplos. A NVI também é tradução formal, é uma pena que seja defensora do texto Alexandrino!
Porém isso não coloca as outras Bíblias como execráveis. Mas o leitor tem o direito de saber que está ou não se servindo de uma versão tradicional ou liberal. Esse direito precisa ser resgatado.

VII. A SEGURANÇA DA BÍBLIA
A Bíblia declara que “Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente” (Isaías 40.8 ). Ninguém conseguiu até hoje fazer a Palavra de Deus desaparecer, nem conseguirá, pois ela subsiste. O motivo disto é que o próprio Deus cuida de Sua Palavra. Ele diz: “porque eu velo sobre a minha palavra para cumpri-la” (Jeremias 1.12). A preservação da Bíblia durante a história é um milagre que só pode ser explicado através do fato de Deus o Espírito Santo tê-la preservado. Deus não permitiria que sua mensagem de Salvação ficasse seriamente prejudicada por erro humano. O homem não tem o poder de anular as Escrituras. Leia Mateus 5.18; 24.35; Lucas 16.17 e 1Pedro 1.25 e tenha o coração inflamado da segurança em Deus.
Quanto aos tradutores e exegetas precisamos conhecer seu testemunho, sua índole, seus frutos. Não basta o preparo intelectual para lançar-se na tarefa sagrada de nos representar como intérprete da Palavra de Deus. Queremos saber se crêem ou não na Inspiração da Bíblia, se são crentes atuantes em suas igrejas, se possuem vícios, se defendem as doutrinas fundamentais da suficiência da Salvação em Cristo Jesus, de Sua divindade, da Trindade Santa, etc. Queremos saber se eles têm segurança na Bíblia também.

VIII. Conclusão
Estamos numa época de resgate. O povo de Deus quer saber, quer participar. Isto é positivo e necessário. A discussão do texto que devemos preferir é própria. É pertinente. O debate existe hoje a nível popular porque foi negado pelas sociedades tradutoras em tempo passado, e porque o dogmatismo de professores com fachadas de liberais e neo-ortodoxos quiseram enterrar o texto tradicional em prol de dificultar o acesso de novos críticos.
Eis aí de volta a questão. Que apareçam as propostas e manifestem os apoios. Que haja escolha. Mas que ninguém se omita de buscar o que é melhor para o Reino de Deus na terra. Ao nosso Senhor Jesus Cristo seja a glória!

Valdeir é 1o Secretário do CPR.
Professor em Seminário Teológico.

    Data/hora atual: Qui 14 Dez 2017, 04:16