F.E. A Doutrina de Jesus Cristo.

--------------------------------------
OLÁ, SEJA BEM VINDO AO FÓRUM EVANGELHO.

CASO DESEJE PARTICIPAR DE DEBATES FAÇA SEU REGISTRO.

ESTE FÓRUM É ABERTO A PESSOAS DE TODOS OS CREDOS.

SE PREFERIR SER APENAS UM LEITOR, ACOMPANHE AS POSTAGENS.

"Conheçamos e prossigamos em conhecer a YHVH ( י ה ו ה )..." (Oséias 6.3)

Norberto
Administrador do Fórum Evangelho

Fórum evangélico, aberto à participação de pessoas de qualquer credo ou religião.


A Verdadeira Fé de Abraão

Compartilhe

Hernandobh
- Abraão / Sara -
- Abraão / Sara -

Status : no perfil, defina seu status ou deixe em branco.
Sexo : Masculino
Número de Mensagens : 127
Idade : 43
Cidade/Estado : Bhte MG
Religião : A Biblia
Igreja : do Mashiach
País : Brasil
Mensagens Curtidas : 0
Pontos de participação : 312
Data de inscrição : 09/03/2009

A Verdadeira Fé de Abraão

Mensagem por Hernandobh em Seg 28 Set 2009, 20:37

A Verdadeira Fé de Avraham

Um Guia Bíblico para o Caos Religioso Moderno Parte I


Por Sha'ul Bentsion

(baseado em diversas fontes)



I - Introdução



Avraham Avinu, Abraão nosso pai, é considerado por todos o patriarca da fé. Isso é algo admitido abertamente por praticamente todas as religiões monoteístas em toda a terra.
Ora, se é assim, então certamente que um estudo acerca da fé de Avraham nos revelará exatamente qual é a verdadeira fé de YHWH, visto que todos concordam unanimemente que Avraham era um seguidor dessa verdadeira fé.


II – A Aliança de Avraham

Nosso estudo começa em Bereshit (Gênesis) 17:1-12

1. Avram tinha noventa e nove anos. YH WH ap areceu-lhe e disse-lhe: “Eu sou El- Shadai. Anda em minhap resença e sê íntegro;

2. quero fazer aliança contigo e multiplicarei ao infinito a tua descendência. ”

3. Avram prostrou-se com o rosto por terra. Elohim disse-lhe:

4. “Este é o pacto que faço contigo: serás o pai de uma multidão de povos.

5. De agora em diante não te chamarás mais Avram, e sim Avraham, porque farei de ti o pai de uma multidão de povos.

6. Tornar-te-ei extremamente fecundo,farei nascer de ti nações e terás reis por descendentes.

7. Faço aliança contigo e com tua posteridade, uma aliança eterna, de geração em geração, para que eu seja o teu Elohim e o Elohim de tua posteridade.

8. Darei a ti e a teus descendentes depois de ti a terra em que moras como peregrino,toda a terra de Kena ’an, em possessão perpétua, e serei o teu Elohim. ”

9. Elohim disse ainda a Avraham: “Tu, porém, guardarás a minha aliança, tu e tua posteridade nas gerações futuras.

10. Eis o pacto que faço entre Mim e vós, e teus descendentes, e que tereis de guardar:

Todo homem, entre vós, será circuncidado.

11. Cortareis a carne de vosso prepúcio, e isso será o sinal da aliança entre Mim e vós.

12. Todo homem, no oitavo dia do seu nascimento, será circuncidado entre vós nas gerações futuras, tanto o que nascer em casa, como o que comprardes a preço de dinheiro de um estrangeiro qualquer, e que não for de tua raça.

Muitas coisas são reveladas neste capítulo. A primeira é que YHWH diz que Ele fará uma aliança com Avraham, e através dessa aliança, fará de Avraham o pai de muitas nações, de modo que as nações (no plural) seriam abençoadas através dele. Ora, por que é que a palavra “nações” aparece no plural? Porque as nações seriam enxertadas na família de Avraham. Vemos, posteriormente, que isso se cumpre em Efrayim, conforme profetizado por Ya’akov (Jacó) seu pai.


III – Torá: O Fundamento da Aliança


E qual era o fundamento da aliança de Avraham com YHWH? Se nos voltarmos para

Bereshit (Gênesis) 26:1-5, encontramos a resposta:

1. E houve uma fome à região (além da primeira fome que houve no tempo de

Avraham), e Yits’chak foi ter com Avimelech, rei dos filisteus em G’rar.

2. YHWH apareceu-lhe e disse-lhe: “Não desças a Mitsrayim;fica na terra que eu te indico.

3. Habita nela; eu estou contigo e te abençoarei, porque é a ti e à tua posteridade que darei toda esta terra, e cumprirei o juramento que fiz ao teu pai Avraham.

4. Multiplicarei tua posteridade como as estrelas do céu, dar-lhe-ei todas estas regiões,e nela serão benditas todas as nações da terra,

5.porque Avraham obedeceu à minha voz e observou os meus preceitos, meus

mandamentos e minhas Torot. (p lural de “Torá ”) ”

Veja que interessante: Por séculos e séculos, teólogos cristãos argumentam que a Torá de YHWH veio através de Moshe (Moisés), e contudo Moshe (Moisés) viveu cerca de 430 anos depois das promessas serem dadas a Avraham, e de as Escrituras afirmarem que Avraham cumpria a Torá! Neste ponto, temos as Escrituras dizendo claramente que Avraham conhecia e cumpria a Torá, pelo menos 430 anos antes de Moshe (Moisés)!

E mais: A essência da aliança de YHWH com Avraham está no fato de que “...serão benditas todas as nações da terra, porque Avraham obedeceu à minha voz e observou os meus preceitos, meus mandamentos e minhas Torot.”

Ou seja, YHWH só fez aliança com Avraham porque Avraham cumpria as mitsvot

(mandamentos) e a Torá! Aliás, não apenas com Avraham, mas ao longo de toda a

Escritura, YHWH só faz aliança com quem cumpre os Seus mandamentos. Em

momento algum, encontramos qualquer aliança com YHWH pautada na desobediência

ou no ignorar, ou rejeitar, as leis da Torá!

As leis e mandamentos de YHWH eram conhecidos pelo Seu povo mesmo antes de
serem dadas a Moshe (Moisés.) Mas então, por que é que no Sinai, YHWH deu a Torá a Moshe?


IV – O Que Houve no Sinai


A resposta é mais simples do que parece: Por causa da escravidão (e, também, da assimilação) no Egito), o povo havia perdido o conhecimento da Torá. Ou seja, o povo não estava escravo apenas do ponto de vista físico, mas também do ponto de vista espiritual. Assim sendo, a experiência do Sinai foi, na realidade, uma reintrodução da Torá, de um conhecimento que havia sido perdido durante o cativeiro. Embora os teólogos cristãos ignorem esse fato, os sábios judeus sempre souberam, e sempre relataram esse fato. Todos os nossos patriarcas eram observantes da Torá, pois essa era, e é, a essência do relacionamento com YHWH.

Até os tempos de Yossef (José) e seus irmãos, a Torá era passada a cada geração de forma oral, e foi justamente esse processo oral que foi perdido quando os israelitas se tornaram escravos no Egito. Isso ocorreu por dois motivos.

Primeiramente, por pressão da nação dominante, pois uma das formas de conquistar um povo é eliminar desse povo qualquer identidade, herança, costume ou cultura. Além disso, a religião também pode ser um instrumento de dominação justificada. Dessa forma, os egípcios forçaram o quanto puderam que os israelitas adotassem as práticas e costumes religiosos de seus senhores.

Some-se a isso o fator tempo, e a identidade é perdida. Como exemplo, pense agora na história do Brasil. Pense em quantos costumes os escravos que aqui vieram tinham em seus lugares de origem. Agora pense em quantos desses costumes foram preservados, desde aquela época. Pense agora em que proporção desses descendentes ainda seguem os costumes que foram trazidos por seus pais. Até mesmo os nossos próprios costumes, 400 anos atrás, certamente eram muito diferentes dos costumes atuais. Com uma forma de transmissão de conhecimento rudimentar (ie. apenas a tradição oral), e em meio a tanta pressão, não é de se estranhar que o povo tenha esquecido a Torá.

A segunda razão é que quando Yisra’el foi ao Egito, havia apenas cerca de 75 homens.
Porém, quando o povo saiu do Egito com Moshe (Moisés), havia um povo de cerca de 3 milhões de pessoas, contando mulheres e crianças. Evidentemente, o ensino de forma oral é algo muito difícil de se manter em grupos de grande tamanho. Principalmente, se forem poucos os detentores daquele conhecimento.

Assim sendo, face à opressão da escravidão, o conhecimento que o povo tinha de

YHWH foi rapidamente se deteriorando, a medida que as gerações passavam. Não é à toa que tivemos, mesmo após os milagres realizados por YHWH, episódios como o bezerro de ouro. O povo ainda estava envolto no paganismo da escravidão do Egito.

Assim, temos a história de Moshe (Moisés), com o reestabelecimento da Torá de

Avraham, no monte Sinai, preparando o povo para o ingresso na terra prometida. A terra que nos foi prometida através da aliança feita com Avraham. Vale lembrar que os termos da aliança baseavam-se, da parte de Avraham, no fato de que ele caminhava na Torá de YHWH.

Assim sendo, é importante frizar que a aliança feita com Moshe (Moisés) ao Sinai nada mais é do que a mesma aliança de Avraham. Aliás, YHWH fez uma aliança com o ser humano no Gan Eden (Paraíso), e desde então cada aliança estabelecida nada mais é do que uma repetição da tentativa de aproximar o homem – para maiores informações sobre essas alianças, leia o nosso livro “Aliança e Identidade”, disponível gratuitamente nos materiais do grupo.

A única diferença entre a Torá cumprida pelos patriarcas e a Torá de Avraham é que, devido ao pecado do povo, a kehuná (sacerdócio), que antes era associada à primogenutura, e praticada de forma mais livre, agora é concentrada na tribo de Levi.
Seria possível tecermos todo um estudo acerca da kehuná (sacerdócio), porém este não é o objeto e o foco deste estudo.


V – Um Sinal na Carne


Continuando em nosso estudo, vamos para Bereshit (Gênesis) 17:10. Lá, vemos que a aliança feita com Avraham, da qual muitos cristãos dizem fazer parte, declara de forma absolutamente transparente que requer circuncisão: “Eis o pacto que faço entre Mim e vós, e teus descendentes, e que tereis de guardar: Todo homem, entre vós, será circuncidado.”

Em Galutyah (Gálatas) 3:29, lemos:

“E se vós sois do Mashiach, então vós sois a semente de Avraham, e herdeiros na promessa. ”

Em Bereshit (Gênesis) 17:14 está escrito:

“Assim será marcado em vossa carne o sinal de minha aliança perpétua. “

O que é curioso nessa alegação contraditória dos cristãos é o fato de que a mesma aliança da qual eles dizem fazer parte também afirma que todo homem deve ser circuncidado, de modo que o sinal da aliança de YHWH esteja em sua carne. Mas, se você tentar mostrar essa verdade bíblica a um cristão, pode ser acusado de legalismo.


VI – Avraham: O Legalista?


Se qualquer ato de obediência à Torá, quer circuncisão quer qualquer outra coisa (como Shabat, festas, festas, etc.) constitui “legalismo”, então, como vimos ao longo deste estudo, somos forçados a concluirmos que Avraham era legalista. A mesma acusação que serve para nós, serve também para ele.

O que os teólogos modernos, que declaram serem da “fé” de Avraham e portanto não estarem “debaixo da lei”, não percebem é que Avraham fazia absolutamente as exatas mesmas coisas que os levariam a acusá-lo de ser legalista.

À luz de seu entendimento das boas novas – da ressurreição dos mortos e da entrega do primogênito por remissão dos pecados – ele se propôs até mesmo a sacrificar seu filho Yitschak (Isaque). Ao fazer isso, Avraham afirma profeticamente sua fé, ao oferecer a Yitschak, e portanto oferecer a sua própria semente da promessa, isto é, oferecer os seus próprios descendentes, como sacrifício expiatório. Dessa forma, Avraham ofereceu o próprio Mashiach como sacrifício, pois Ele era a semente da promessa.

É preciso acordarmos das mentiras que têm nos sido alimentadas há gerações pelo sistema religioso romano e suas derivações! Avraham não era um homem sem obras, ou sem obediência, conforme lemos em Ya'akov (Thiago) 2:14-26.

Avraham era um homem de fé, que cria e esperava pela vinda do Mashiach, cumprindo a promessa à sua semente, mas a fé de Avraham Avinu (Abraão nosso pai) era uma fé de compromisso, de confiança, de andar segundo a Palavra e as mitsvot (mandamentos) de YHWH. Enfim, a fé de Avraham era justamente o tipo de fé bíblica, não-etérea nem puramente intelectual, que seria rotulada de “legalista” pelos teólogos cristãos.

Pensando do ponto de vista moderno, imagine que você está dirigindo em alta

velocidade por uma estrada, ignorando todas as placas. De repente, uma viatura de polícia te pede para encostar o carro. Ao ser questionado pelo policial sobre seu comportamento, você responde: “Perdoe-me, policial, mas você não está sendo um tanto legalista em me multar? Eu sou livre! Afinal, eu estou debaixo da graça, e não da lei, certo?”

Certamente que essa não seria a coisa mais sensata a se dizer para um policial. Uma pessoa que segue as leis de trânsito é uma pessoa de responsabilidade, e que anda em retidão perante a sociedade, e não um legalista. Mesmo assim, muitas vezes as pessoas que obedecem as mitsvot (mandamentos) de YHWH, ou seja, andam em retidão perante Ele, são acusadas de serem legalistas. Ao acusarmos quem obedece a YHWH de legalismo, estamos nos colocando na posição de transgressores, e juízes da Palavra de YHWH. É como se, na metáfora acima, nós tentássemos dar uma multa ao policial, ou depreciá-lo por se referir ao nosso comportamento de anomia (ie. ausência de lei.)

Avraham vivia na graça, operando sua fé e esperando na vinda do Mashiach, tal como nós fazemos (a diferença, evidentemente, é que esperamos no retorno dEle.) De fato, as próprias Escrituras dizem que os patriarcas conheciam as “Boas Novas”, pois Yeshua diz: “Avraham, vosso pai, desejava ver o meu dia; viu-o, e alegrou-se.” (Yochanan/João 8:56)

VII – As Boas Novas no Princípio


As “Boas Novas” da restauração estavam presentes desde o princípio – desde os tempos de Adam. Desde Bereshit (Gênesis) 3:15, vemos a promessa de YHWH acerca do Mashiach.

De fato, os israelitas desde os primórdios entendiam que a inimizade da mulher com a serpente faria com que, se eles fossem desobedientes, vivessem sob o jugo da serpente – mas que o Mashiach os libertaria do jugo do pecado.


Sobre esse texto, o Targum Yerushalmi comenta:

“E será que quando os filhos da mulher considerarem a Torá, e realizarem suas

instruções, estarão preparados para ferirem a ti na cabeça e te materem. E quando os filhos da mulher abandonarem o mandamento da Torá, e não realizarem suas instruções, tu estarás p rontop araf erí-los nos seus calcanhares, e os machucar.

Contudo, haverá um remédiop ara osf ilhos da mulher, mas para ti, serpente, não

haverá remédio. Mas seráp ara aqueles que haverá um remédiop ara o calcanhar nos

dias do rei Mashiach. ”



Avraham, portanto, conhecia as boas novas. Como veremos mais adiante em nosso

estudo, Avraham cria no Mashiach, e andava segundo a Torá. E esse é considerado o

patriarca da fé. Não só isso, mas os próprios Ketuvim Netsarim (Escritos Nazarenos)

nos incentivam a emularmos o comportamento de Avraham.


Assim sendo, podemos ver que a fé verdadeira não é a fé que diz ser de Avraham – isso o fazem boa parte das religiões monoteístas – mas é aquela que verdadeiramente encoraja as pessoas a viverem como viveu Avraham.

    Data/hora atual: Seg 11 Dez 2017, 22:54