F.E. A Doutrina de Jesus Cristo.

--------------------------------------
OLÁ, SEJA BEM VINDO AO FÓRUM EVANGELHO.

CASO DESEJE PARTICIPAR DE DEBATES FAÇA SEU REGISTRO.

ESTE FÓRUM É ABERTO A PESSOAS DE TODOS OS CREDOS.

SE PREFERIR SER APENAS UM LEITOR, ACOMPANHE AS POSTAGENS.

"Conheçamos e prossigamos em conhecer a YHVH ( י ה ו ה )..." (Oséias 6.3)

Norberto
Administrador do Fórum Evangelho

Fórum evangélico, aberto à participação de pessoas de qualquer credo ou religião.


A Origem da Grande Meretriz

Compartilhe

Hernandobh
- Abraão / Sara -
- Abraão / Sara -

Status : no perfil, defina seu status ou deixe em branco.
Sexo : Masculino
Número de Mensagens : 127
Idade : 43
Cidade/Estado : Bhte MG
Religião : A Biblia
Igreja : do Mashiach
País : Brasil
Mensagens Curtidas : 0
Pontos de participação : 312
Data de inscrição : 09/03/2009

A Origem da Grande Meretriz

Mensagem por Hernandobh em Sex 25 Set 2009, 19:22

A Origem da Grande Meretriz
Extraído do livro _Tempo Final 3_
Por Sha'ul Bentsion



I - Introdução

_Não sabeis vós que os vossos corpos são membros do Mashiach? Tomarei, pois, os membros do
Mashiach, e fá-los-ei membros de uma meretriz? Não, por certo. Ou não sabeis que o que se ajunta
com a meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne._ (Curintayah Alef/
1 Coríntios 6:15-16)

Sha'ul (Paulo) nos adverte contra a prostituição. Na cultura semita, a prostituição era também figurativa
de algo mais do que apenas o que vemos no p'shat (sentido simples _ vide artigo sobre como interpretar
as Escrituras como um judeu).

Vemos que Yochanan (João) nos adverte sobre a figura de uma _Grande Meretriz_ em Guilyana
(Apocalipse):

_E a mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, e adornada com ouro, e pedras preciosas e
pérolas; e tinha na sua mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua
prostituição; E na sua testa estava escrito o nome: Mistério, a Grande Bavel, a mãe das prostituições e
abominações da terra. E vi que a mulher estava embriagada do sangue dos santos, e do sangue das
testemunhas de Yeshua. E, vendo-a eu, maravilhei-me com grande admiração._ (Guilyana/Apocalipse
17:4-6)

Embora seja praticamente unânime a intepretação de que isto seja uma referência ao Império Romano,
até porque Bavel (Babilônia) já não existia mais naquela época. Como podemos ter certeza de que era
isso mesmo a que se referia Yochanan (João). De onde ele extrai a idéia de que o Império Romano seria
uma grande prostituta? E, o que significa ser uma grande prostituta?

II _ A Figura de Linguagem da Prostituição

A figura da prostituição na Bíblia tem relação com o deixar os caminhos e a aliança de YHWH e
entregar-se ao costume das nações. Frequentemente, Israel é acusada de prostituição pelos profetas,
conforme podemos ver em Yehezkel (Ezequiel) 16:15-41:

_Mas confiaste na tua formosura, e te corrompeste por causa da tua fama, e prostituías-te a todo o que
passava, para seres dele. E tomaste dos teus vestidos, e fizeste lugares altos pintados de diversas cores,
e te prostituíste sobre eles, como nunca sucedera, nem sucederá. E tomaste as tuas jóias de enfeite, que
eu te dei do meu ouro e da minha prata, e fizeste imagens de homens, e te prostituíste com elas. E
tomaste os teus vestidos bordados, e as cobriste; e o meu azeite e o meu perfume puseste diante delas.
E o meu pão que te dei, a flor de farinha, e o azeite e o mel com que eu te sustentava, também puseste
diante delas em cheiro suave; e assim foi, diz Adonai YHWH. Além disto, tomaste a teus filhos e tuas
filhas, que me tinhas gerado, e os sacrificaste a elas, para serem consumidos; acaso é pequena a tua
prostituição? E mataste a meus filhos, e os entregaste a elas para os fazerem passar pelo fogo. E em
todas as tuas abominações, e nas tuas prostituições, não te lembraste dos dias da tua mocidade,
quando tu estavas nua e descoberta, e revolvida no teu sangue. E sucedeu, depois de toda a tua
maldade (ai, ai de ti! diz Adonai YHWH, que edificaste uma abóbada, e fizeste lugares altos em cada

rua. A cada canto do caminho edificaste o teu lugar alto, e fizeste abominável a tua formosura, e
alargaste os teus pés a todo o que passava, e multiplicaste as tuas prostituições. Também te prostituíste
com os filhos do Egito, teus vizinhos grandes de carne, e multiplicaste a tua prostituição para me
provocares à ira. Por isso estendi a minha mão sobre ti, e diminuí a tua porção; e te entreguei à
vontade das que te odeiam, das filhas dos filisteus, as quais se envergonhavam do teu caminho
depravado. Também te prostituíste com os filhos da Assíria, porquanto eras insaciável; e prostituindo-
te com eles, nem ainda assim ficaste farta. Antes multiplicaste as tuas prostituições na terra de Canaã
até Caldéia, e nem ainda com isso te fartaste. Quão fraco é o teu coração, diz Adonai YHWH, fazendo
tu todas estas coisas, obras de uma meretriz imperiosa! Edificando tu a tua abóbada ao canto de cada
caminho, e fazendo o teu lugar alto em cada rua! Nem foste como a meretriz, pois desprezaste a paga;
Foste como a mulher adúltera que, em lugar de seu marido, recebe os estranhos. A todas as meretrizes
dão paga, mas tu dás os teus presentes a todos os teus amantes; e lhes dás presentes, para que venham
a ti de todas as partes, pelas tuas prostituições. Assim que contigo sucede o contrário das outras
mulheres nas tuas prostituições, pois ninguém te procura para prostituição; porque, dando tu a paga, e
a ti não sendo dada a paga, fazes o contrário. Portanto, ó meretriz, ouve a palavra de YHWH. Assim
diz Adonai YHWH: Porquanto se derramou o teu dinheiro, e se descobriu a tua nudez nas tuas
prostituições com os teus amantes, como também com todos os ídolos das tuas abominações, e do
sangue de teus filhos que lhes deste; Portanto, eis que ajuntarei a todos os teus amantes, com os quais
te deleitaste, como também a todos os que amaste, com todos os que odiaste, e ajuntá-los-ei contra ti
em redor, e descobrirei a tua nudez diante deles, para que vejam toda a tua nudez. E julgar-te-ei como
são julgadas as adúlteras e as que derramam sangue; e entregar-te-ei ao sangue de furor e de ciúme.
E entregar-te-ei nas mãos deles; e eles derrubarão a tua abóbada, e transtornarão os teus altos
lugares, e te despirão os teus vestidos, e tomarão as tuas jóias de enfeite, e te deixarão nua e
descoberta. Então farão subir contra ti uma multidão, e te apedrejarão, e te traspassarão com as suas
espadas. E queimarão as tuas casas a fogo, e executarão juízos contra ti aos olhos de muitas
mulheres; e te farei cessar de ser meretriz, e paga não darás mais._

Aqui vemos que Israel se prostitui, mas claramente o texto de Guilyana (Apocalipse) não pode se
referir a Israel, pois é prometido nesse mesmo texto de Yehezkel (Ezequiel) que Israel será salva de sua
prostituição, e não destruída.

A _Grande Meretriz_ é também chamada de _a mãe de todas as prostituições_. Será que existe algo na
literatura judaica que possa ajudar a esclarecer de onde Yochanan (João) tomou essa figura de
linguagem? Poir se encontrarmos a fonte dela, poderemos certamente compreender melhor o que está
sendo dito.

III _ A Meretriz nos Manuscritos do Mar Morto

Existe um texto importantíssimo, que é capaz de esclarecer a questão. Um dos textos mais intrigantes
dentre os manuscritos do Mar Morto é o texto da Meretriz, 4Q184. O texto, em forma poética, descreve
uma meretriz, porém claramente não se refere a uma mulher, pois fala de seus objetivos de conduzir os
homens ao Sheol, além de se referir a seus portões e estalagens, dando a entender que se trata de uma
cidade.

Sobre esse poema, Joseph M. Baumgarten, em seu artigo _A Sedutora de Qumran_ para a Bible
Archaeology Review, comenta:

_A protagonista sem nome deste poema é normalmente identificada como uma meretriz, uma prostituta
comum que conduz os homens ao pecado. Porque a comunidade de Qumran era uma seita isolada no

deserto da Judéia, onde havia pouco temor de encontro com uma pedestre urbana, a maior parte dos
acadêmicos interpreta o poema como uma alegoria. A falsa mulher do poema, sugerem, representa os
falsos ensinamentos de uma seita rival. Outros propõem que ela simboliza os males aterrorizadores de
Roma, ou que ela representa uma antagonista individual cuja identidade não mais podemos
determinar._

Vejamos o que diz o texto:

_A insensatez produz a vaidade e [...]
Ela está sempre perseguindo o erro,
Ela unta as palavras de [sua boca.
Com zombaria] e sarcasmo ela bajula,
e acrescenta escárnio à va[idade] inútil.
Seu coração cria lascívia, e seu interior [...]
[Seus olhos] estão sujos de perversão,
suas mãos agarram firmemente a corrupção.
Seus pés descem para fazerem o mal, e para
andarem nos crimes de [...]
[Suas coxas são] pilares de escuridão,
e uma horda de pecados está debaixo de sua orla,
Sua [...] são a mais escura noite.

Suas vestes [...]
Suas túnicas como o brilho do crepúsculo,
enquanto suas jóias estão contaminadas com podridão.
Sua cama é um leito de corrupção [...] profundezas do inferno.
Suas hospedarias são onde as trevas se deitam,
Ela detém o controle nas horas silenciosas.
Entre os pilares da escuridão ela finca sua tenda,
e se assenta entre as tendas do silêncio, em meio ao fogo eterno.
Ela não tem parte com qualquer que seja iluminado pela luz.

Não, ela é o princípio de todos os caminhos iníquos.
Ai de todos os que dela tomam posse,
e a destruição vem a t[odos] os que a ela se agarram.
Pois os caminhos dela são mortais,
e os seus trajetos conduzem ao pecado,
e seus desvios terminam em iniquidade,
suas rotas na rebeldia da transgressão.
Seus portões são os portões da morte,
e na entrada de sua casa
ela conduz t[odo]s ao Sheol [sem] retorno!
Todos os que dela tomam posse descem ao abismo.

Ela espreita em lugares secretos[...] todos [...]
Nas ruas da cidade ela se esconde,
nos portões da cidade ela permanece,
Ela nunca cessa de se pros[titui]r,
seus olhos percorrem aqui e ali,

ela confunde com suas pálpebras lascivamente
buscan[do] um homem justo para laçar;
buscando um homem [f]orte para fazer tropeçar;
por um homem honesto para desviar;
por jovens inocentes para impedir que cumpram os mandamentos;
para o firme [propósito] de os esvaziar com lascívia;
por aqueles que vivem honestamente para fazê-los transgredir a T[orá];
para fazer o humilde se rebelar contra Elohim;
para desviar seus passos dos caminhos da justiça;
para colocar em seus [corações] arrogância, para que não permaneçam nos
caminhos da integridade.
Ela busca fazer pessoas transgredirem no caminho do Sheol,
e seduzir os homens com bajulações._ (4Q184)

De fato, a semelhança de linguagem para com o que diz Yochanan (João) é absolutamente notável.
Algumas coisas nos chamam a atenção no texto de 4Q184.

A primeira delas é o fato de que o texto é uma drashá sobre o texto de Mishlei (Provérbios) 7, que diz:

_Filho meu, guarda as minhas palavras, e esconde dentro de ti os meus mandamentos. Guarda os
meus mandamentos e vive; e a minha lei, como a menina dos teus olhos. Ata-os aos teus dedos,
escreve-os na tábua do teu coração. Dize à sabedoria: Tu és minha irmã; e à prudência chama de tua
parenta, Para que elas te guardem da mulher alheia, da estranha que lisonjeia com as suas palavras.
Porque da janela da minha casa, olhando eu por minhas frestas, Vi entre os simples, descobri entre os
moços, um moço falto de juízo, Que passava pela rua junto à sua esquina, e seguia o caminho da sua
casa; No crepúsculo, à tarde do dia, na tenebrosa noite e na escuridão. E eis que uma mulher lhe saiu
ao encontro com enfeites de prostituta, e astúcia de coração. Estava alvoroçada e irriquieta; não
paravam em sua casa os seus pés. Foi para fora, depois pelas ruas, e ia espreitando por todos os
cantos; E chegou-se para ele e o beijou. Com face impudente lhe disse: Sacrifícios pacíficos tenho
comigo; hoje paguei os meus votos. Por isto saí ao teu encontro a buscar diligentemente a tua face, e
te achei. Já cobri a minha cama com cobertas de tapeçaria, com obras lavradas, com linho fino do
Egito. Já perfumei o meu leito com mirra, aloés e canela. Vem, saciemo-nos de amores até à manhã;
alegremo-nos com amores. Porque o marido não está em casa; foi fazer uma longa viagem; Levou na
sua mão um saquitel de dinheiro; voltará para casa só no dia marcado. Assim, o seduziu com palavras
muito suaves e o persuadiu com as lisonjas dos seus lábios. E ele logo a segue, como o boi que vai
para o matadouro, e como vai o insensato para o castigo das prisões; Até que a flecha lhe atravesse o
fígado; ou como a ave que se apressa para o laço, e não sabe que está armado contra a sua vida.
Agora pois, filhos, dai-me ouvidos, e estai atentos às palavras da minha boca. Não se desvie para os
caminhos dela o teu coração, e não te deixes perder nas suas veredas. Porque a muitos feridos
derrubou; e são muitíssimos os que por causa dela foram mortos. A sua casa é caminho do inferno que
desce para as câmaras da morte._

Repare que o texto de Qumran, análogo ao de Shlomo (Salomão), interpreta o alerta contra a meretriz
como sendo um alerta para se manter fiel aos mandamentos de YHWH. O texto de Shlomo (Salomão)
fala do guardar os mandamentos, e de não se desviar com a meretriz _ mas em seu p'shat (sentido
simples), pode ser interpretado simplesmente como uma recomendação de se afastar da prostituição
física.

Já no texto de Qumran, a prostituição não é física, como bem observou Baumgarten. Trata-se de uma
alegoria a algo que leva os homens a se desviarem de cumprirem os mandamentos da Torá, e de
viverem nos caminhos de YHWH.

O objetivo principal da meretriz é justamente perverter os caminhos da verdade, levando à _rebeldia da
transgressão._ A figura de linguagem da espreita secreta nos dá uma idéia de obscuridade na ação da
meretriz. A meretriz leva os homens a transgredirem a Torá, porém de uma forma muito sutil.

Podemos ver de onde Yochanan (João) tira o seu entendimento de que o unir-se à meretriz leva à morte
eterna. A exemplo do texto de Qumran, o texto em Guilyana adverte para que o povo de YHWH deixe
os caminhos da meretriz, para que não venha a ser consumido:

_E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus
pecados, e para que não incorras nas suas pragas._ (Guilyana/Apocalipse 18:4)

Baumgarten, a exemplo dos demais acadêmicos, sugere que a meretriz em Qumran seja uma inimiga
dos essênios. Roma é citada como uma possibilidade. Mas, será que temos uma confirmação dessa
identidade, e uma explicação do que significa essa prostituição? O que fazia Roma para ser considerada
uma meretriz?

IV _ A Identidade da Meretriz no Primeiro Século

A principal informação que temos vem do manuscrito 1QpHab, dentre os manuscritos do mar morto.
Trata-se da história narrada por cohanim (sacerdotes) exilados, descrevendo como um grupo em Israel
se aliou a Roma para assegurar sua hegemonia no controle do povo.

O texto de 1QpHab, um dos mais importantes em Qumran, é um comentário do texto bíblico de
Havakuk (Habacuque) utilizando o método Pesher de hermenêutica judaica, e aplicando-o aos eventos
decorridos à época. Vejamos alguns trechos desse documento. As referências bíblicas foram
adicionadas ao texto:

_'Por esta causa a lei se afrouxa, [e a justiça nunca se manifesta.' (Hb. 1:4a) Isto significa] que eles
rejeitaram a Torá de Elohim [...] ['porque o ímpio cerca] o justo'. (Hb 1:4b) [O ímpio se refere ao
Cohen HaReisha (Sacerdote Iníquo), e o justo] é o Moreh Tsedek (Instrutor de Justiça) [...] '[por]tanto
a justiça se manifesta [distorcida.'...] (Hb. 1:4c)_ (1QpHab col. 1, 10-15)

Aqui vemos uma primeira figura mencionada, o _Cohen HaReisha_ (Sacerdote Iníquo). Este é um jogo
de palavras com o termo _Cohen HaRosh_ (Sacerdote Principal) que é uma das formas que a Bíblia se
refere ao sumo-sacerdote.

Portanto, podemos ver que havia um sumo-sacerdote em Israel que estava distorcendo a justiça da Torá.

_'Porque eis que suscito os caldeus, nação a[marga e impetuosa.' (Hb.1:6a)] Isto se refere aos
Romanos, qu[e são] rápidos e poderosos em guerra, aniquilando muitos povos [e...] na autoridade dos
Romanos e dos in[íquos...] e não têm fé nas leis de [Elohim.]_ (1QpHab col. 2, 10-15)

O texto ainda continua, falando do poderio dos romanos. Mas o importante aqui é vermos que os
romanos também aparecem como sendo um componente importante naquela época, e é enfatizado o
seu desprezo à Torá de Elohim.

_'Então muda a sua mente, e seguirá, e se fará culpado, atribuindo este seu poder ao seu deus.' (Hb
1:11) Isto se re[fere a]o governante dos Romanos, que atravessam a terra pelo conselho de uma
família de pecador[es]: cada um perante seu companheiro, [seus] governantes vêm, um após o outro,
para devastarem a te[rra...]_ (1QpHab col. 4, 10-13)

Michael Wise comenta que aqui fica evidente que um grupo em Israel é acusado de facilitar a entrada
dos romanos. Teriam assim, traído seu povo. Mas, em troca de quê? A resposta veremos a seguir.

_'homem soberbo que não permanecerá; que alarga como o inferno a sua alma; e é como a morte que
não se farta, e ajunta a si todas as nações, e congrega a si todos os povos. Não levantarão, pois, todos
estes contra ele uma parábola e um provérbio sarcástico contra ele? E se dirá: Ai daquele que
multiplica o que não é seu! (até quando?) e daquele que carrega sobre si dívidas!.' (Hb. 2:5-6) Isto se
refere ao Cohen HaReisha (Sacerdote Iníquo) que tinha uma reputação de credibilidade no início do
termo de seu serviço, mas quando se tornou governante sobre todo Israel, se tornou arrogante e
abandonou Elohim e traiu os mandamentos em razão das riquezas. Como força, reuniu as riquezas dos
que se opõe à Torá e que se rebelaram contra Elohim, capturando as riquezas dos povos, assim
acrescentando à culpa de suas transgressões, ele cometeu atos abomináveis em todo tipo de
profanação impura._ (1QpHab col. 8, 3-13)

Aqui fica claro que o sumo-sacerdote ilegítimo se utilizou do poderio romano para poder se estabelecer
como autoridade eclesiástica sobre Israel. E, ao fazer isso, cometeu atos abomináveis, prostituindo, por
assim dizer, a Torá.

Fica bem evidente pelo comentário de 1QpHab que a _meretriz_ de 4Q184 é de fato Roma. Seus
caminhos de prostituição que _pervertiam os justos_ nada mais eram do que o incentivo às lideranças
religiosas, e consequentemente ao restante do povo israelita, a abandonarem a Torá em troca de maior
poder, ou de interesses políticos e pessoais. A meretriz levava ao conformismo, e ao abandono dos
caminhos da Torá. Essa era a imagem alegórica da _meretriz_ no Judaísmo do primeiro século,
especialmente entre os essênios.

V - O Mistério da Meretriz

Uma outra curiosidade é o porquê Bavel (Babilônia) é chamada de _Mistério_? O que teriam os judeus
daquela época compreendido sobre isso?

Uma dica pode ser encontrada em Guilyana (Apocalipse) 18:2:

_E clamou fortemente com grande voz, dizendo: Caiu, caiu a grande babilônia, e se tornou morada de
demônios, e covil de todo espírito imundo, e esconderijo de toda ave imunda e odiável._

Mistérios ou segredos para o Judaísmo do primeiro século só vinham das regiões celestiais. Ou eram
revelados pelos anjos de YHWH a pedido dEle, ou contrariando suas ordens.

No Sefer Chanoch (livro de Enoque) vemos que é exatamente dos anjos caídos que vêm toda sorte de
mistérios de ocultismo ensinados aos homens:

_E eis que se levantou grande iniqüidade, e sendo ímpios, foram desviados, e se tornaram corruptos
em todos os seus caminhos. Shemichazah ensinou encantamentos, e o cortar raízes, Hermoni o
desfazer encantamentos, Barak'el ensinou os sinais de trovões, Kokav'el as constelações das estrelas,
Zik'el os sinais de luz, Ar'tekif os sinais da terra, Shimsh'el os sinais do sol, e Sari'el os sinais da lua. E
eles começaram a revelar estes segredos às suas esposas._ (Chanoch/Enoque 8:2-3)

Se Bavel (Babilônia) se tornou a morada de denônios e o covil de todo espírito imundo, isso significa
que ela se tornou a fonte de todos os mistérios/ocultismos por eles ensinados. Esse texto também faz
alusão, evidentemente, a um sincretismo religioso. Pois os demônios que se espalharam pelas nações se
reuníram em Bavel (Babilônia) para montarem um sistema religioso que finge ser bíblico (lembrando
da obscuridade da meretriz em 4Q184) mas ao mesmo tempo traz por detrás toda sorte de paganismos,
e ocultismos oriundos de outros sistemas religiosos, e dos demônios por detrás dos mesmos.

Podemos observar ainda que Bavel (Babilônia) é capaz de produzir muitos sinais e prodígios, e que
certamente, ao se tornar o covil de todo espírito imundo, possui um poder grande, pois a esses mesmos
anjos foram revelados os segredos dos céus. O ensinamento pervertido de Bavel (Babilônia) se apóia
portanto em muitos milagres e encantamentos, cujo objetivo é desviar os escolhidos.

Quanto a isso, a Torá nos adverte:

_Quando profeta ou sonhador de sonhos se levantar no meio de ti, e te der um sinal ou prodígio, e
suceder o tal sinal ou prodígio, de que te houver falado, dizendo: Vamos após outros deuses, que não
conheceste, e sirvamo-los; Não ouvirás as palavras daquele profeta ou sonhador de sonhos;_
(Devarim/Deuteronômio 13:1-3)

VI - Conclusão

Não é difícil entendermos que Yochanan (João) empresta dessa figura alegórica popular no meio
essênio no primeiro século para construir seu texto sobre a _Grande Meretriz_. Fica, portanto, mais do
que evidente que já no primeiro século, mesmo antes de Yochanan (João) escrever Guilyana
(Apocalipse), os judeus já entendiam que:

1) A Grande Meretriz é Roma

2) É chamada _mãe das prostituições_ porque se trata de um poder que incentiva as transgressões,
e que provavelmente se desdobra em diferentes grupos eclesiásticos

3) Utiliza-se de subterfúgios para distorcer a Torá de YHWH

4) Seus caminhos eram extremamente sedutores

5) Suas doutrinas visavam trazer confusão

6) É capaz de produzir grandes milagres, sinais e prodígios por meio do poder de demônios.

7) Qualquer conexão com esse sistema levaria à morte eterna.

    Data/hora atual: Seg 11 Dez 2017, 22:54